A gente

Cesar (por Pri)

Toda menina cresce com o conceito de príncipe encantado na cabeça, dos filmes da Disney à vontade de ter um feliz para sempre. O que todos esquecem de nos contar é que quando crescemos buscamos não o ideal do príncipe encantado, mas sim o homem das nossas vidas, nosso melhor amigo e companheiro, nosso príncipe de verdade, com todos os encantos e desencantos. O Cesar é o meu príncipe real, o homem com o qual eu quero passar o resto da minha vida, ao lado do qual eu caminho todo dia, superando tudo que essa vida linda e louca nos manda. O menino com o qual posso passar horas jogando video-game; o príncipe que me manda flores, me faz sentir a mulher mais bonita do mundo, que cozinha comigo e topa todas as minhas receitas malucas; o homem que se preocupa com o futuro e que quer ter filhos e construir uma família; o amigo que está sempre do meu lado, querendo sempre melhorar e olhar pra frente, não importa o quão teimosa eu seja; meu companheiro de viagens e planos; o noivo que participa dos planos e quer saber de tudo; o professor paciente, que me explica tudo mil vezes.  Ele é o meu melhor amigo e futuro marido, é o ótimo filho e irmão, o genro atencioso, o amigo brincalhão, o tio carinhoso e preocupado, o namorado dorminhoco, a melhor parte de mim, o companheiro perfeito pra mim. Eu quero estar com cada Cesar que eu descrevi, quero fazer todos eles felizes e, principalmente, fazer o amor da minha vida o homem mais feliz desse mundo. De uma história de amor incerta, com todas as distâncias, vontades, tentativas, idas e vindas, nasceu a coisa mais certa da minha vida: meu futuro marido e nosso futuro construído juntos.

Can’t wait!

Pri (por Cesar)

Conheci a Priscila quando fomos ao ENEMET em 2011. ENEMET é o congresso do nosso curso (engenharia metalúrgica, para aqueles que não lembram) e também da engenharia de materiais e de minas.

Vou pular a parte chata da viagem de muitas horas até São Paulo, o nosso primeiro dia de folga e o passeio agradável no Ibiraquera com meus amigos. Todos os congressistas dividiam quartos, e o nosso quarto era dividido entre o Matheus, Ricardo e eu. 

Depois de um certo desentendimento entre a minha turma, Ricardo e eu fomos sozinhos para a confraternização do primeiro dia de congresso, no domingo à noite. O Matheus quis ficar para descansar. Na nossa ida ao restaurante da confraternização encontramos uma turma bem vestida indo para o mesmo lugar. Será que são do congresso também? Perguntamos e descobrimos que eles eram uma turma da UFMG. Amizades na hora.

Chegamos ao bar e eu reparei em uma mulher linda sorrindo e brincando com a amiga do lado. Uau! O Ricardo e eu sentamos na mesma mesa que a turma da UFMG. Muitas conversas sobre sotaques e diferenças de nomes depois, fui conversar com o Ricardo sobre a linda mineira que estava lá atrás. O frio na barriga quando ele disse que tinha achado a mineira também linda! Perguntei e ele foi respondendo as mesmas coisas que eu tinha visto: onde ela estava, se era de Minas, se estava sorrindo, se era a da direita… e ele responde que era a da esquerda: na verdade ele queria o telefone da guria da esquerda! Yes! Menos um problema na minha vida, então só faltava eu descobrir seu nome, de onde era, como ela era, tentar conhecê-la  e fazê-la se apaixonar por mim. Moleza.

Conversa vai e vem, num ritmo que apenas as novas amizades de grupos parecidos proporcionam, quando vi a tal menina se levantar do outro lado da mesa e ir pagar sua conta. Vou dizer uma coisa que apenas os que me conhecem há muito tempo sabem que é verdade: nunca tive coragem de ir conversar com alguém com a mesma cara de pau que eu fui falar com ela dessa vez. Levantei, fui até lá pagar para ter assunto com ela. Ela estava linda e radiante, e quando fui puxar aquele papo aranha… algo como:

— Oi, você é da UFMG também?

— Sim, sou, e agora preciso ir a uma festa. Prazer. Tchau.

— É que… ahhnn… tchau?

–––

E foi assim que o amor da minha vida quase escapou. A linda mineira de sorriso encantador e com o maior charme de todas deu tchau e achou que ia conseguir escapar. No dia seguinte eu tive a maior cara de pau do mundo (de novo!) e fui lá tentar de novo.

Depois de tentar mais algumas vezes acho que consegui conquistar seu coração. Valeu a pena todos os momentos!

Quero que todos saibam que o nosso amor quase acabou antes de começar, mas acredito que existe, sim, amor a primeira vista e que esse foi o nosso caso. Destino? Difícil dizer, mas fico tentado em aceitar pela incrível metade que ela completa em mim.

A Priscila foi a mulher, amiga, relacionamento enrolado, namorada, noiva, futura esposa e futura mãe dos nossos filhos com que eu sempre sonhei. Ela reuniu todas as qualidades que eu sempre quis na minha companheira, entre elas: parceria, inteligente, animada, alegre, engraçada, honesta, gosta de praticar esportes, gosta de jogar video-game (muito importante!), tem paciência para me ensinar… enfim, a melhor e mais linda namorada de todas!